sexta-feira, 1 de abril de 2011

TRAVESSURAS DA LOIRINHA: CHEIROSO

Pepe Le Gambá - Image by Google

--Paiê... é aqui que a mamãe trabalha?

A loirinha estava delirando com o passeio. Pela primeira vez, buscava a mãe em seu local de trabalho. E que empresa enorme, cheia de “nove horas” tanto para entrar quanto para sair. Mas lá estava ela, a mãe, naquela sala tão minúscula. E por que aquela sala tão pequena, se a empresa era daquele jeito, enorme?

Perto da sala onde a mãe trabalhava, sentiram um cheiro estranho, algo desagradável e que logo foi taxado pelo pai como “sendo alguém com ausência de banho pelo corpo”. Ele riu e nem quis comentar com a filha, pois sabia que a menina iria, no ato, encher a sua cabeça com as mais variadas e incabíveis perguntas quanto a isso. E ele sabia exatamente de quem se tratava, de tanto a esposa comentar o quanto ela e os demais funcionários daquela repartição sofriam com um certo colega e sua opção, nada agradável para os outros, de vida.

--Manhêêêêê...

Image by Google
A menina correu para os braços da mãe e logo se aninhou por ali. Já era hora de fim de expediente, e quase todos se preparavam para encerrar as atividades. Quando a mãe se levantou, notou que um colega, aquele mesmo com o cheiro desagradável da falta de banho, caminhava até a mesa dela. Quando o colega chegou próximo de onde eles estavam, o mau cheiro ardeu pelas narinas de todos. O calor estava insuportável e piorava aquele péssimo odor. Bom, seriam apenas alguns instantes, nada que não se suportasse prendendo, polidamente, a respiração.

Após uma breve troca de documentos, o rapaz se virou e caminhou para sua mesa, mas foi contido pela loirinha que, ao chamá-lo, fez tanto o pai quanto a mãe tremerem e suspirarem.

--Moço, você é amigo da minha mãe?

O rapaz olhou para trás e, educadamente, respondeu que sim.

--Por favor, moço... não apareça lá em casa. --a loirinha falou, quase soluçando e chorando. -- Na semana passada, meu pai encontrou um bicho morto e fedendo um monte na nossa garagem. Ele enterrou o bicho no jardim pra acabar com o cheiro. Não quero que meu pai enterre você também.



*******************************



Aos amigos, blogueiros ou não.

Durante alguns dias, estarei ausente, cuidando de um novo projeto, o ARENA DAS CRÔNICAS.

Porém, como minha última ausência, motivada por alguns problemas de saúde, foi desastrosa (estou respondendo e-mails até agora), deixo com vocês uma série de contos leves, todos baseados nessa loirinha sapeca e filha de um casal de amigos.

Por medida de segurança (minha, dos pais dela e de toda a vizinhança, é claro), não colocarei fotos reais da praguinha, digo, dessa tsunami loirinha. Ela é uma santa, quando está dormindo.

Farei postagens por aqui, mas visitarei os amigos com menor frequência, pois o outro projeto tomará grande parte do meu tempo.

E quem quiser, pode aparecer lá pelo ARENA. Será muito bem recepcionado, assim como sempre foi por aqui.

Abraços a todos.

Marcio JR

15 comentários:

  1. Que danadinha essa loirinha e esse amigo gambá/rsrssr Ótima! abraços e já te vi na ARENA!!!chica

    ResponderExcluir
  2. Bom dia Marcio, sua ausência é notada, mas sabendo que é por conta de um novo projeto, é mais fácil suportar, meu amigo, que em sua jornada tenha muito sucesso, obrigado por estar em meu Blog, me falta ainda muita experiência para lidar com informática, mas estou me empenhando e tendo o privilegio de contar com amigos especiais, a Camila Lima trabalha no mesmo departamento que eu e muito tem me ajudado. Abraço, Joel Costadelli.

    ResponderExcluir
  3. A lourinha pode ser uma praguinha, Márcio, mas tem uma crianças ue acabam fazendo pra gente o que precisamos fazer e nos falta "desconstrangimento" rsrs. Adorei esta menina! Abraço grande. paz e bem.

    ResponderExcluir
  4. Nunca subestime a inteligencia e inocencia de uma criança hehehe

    ResponderExcluir
  5. Olá! Boa sorte no novo projeto!
    Adorei o desenrolar da história... Criança é um universo encantador.rsrs

    Um abraço carinhoso

    ResponderExcluir
  6. kkkkkkk
    Meu amigo!
    Essa loirinha(será que só ela mesmo? hehe) era uma praguinha, uma pestinha, mas era espeerrrrrrtaaa e um alinguinha afiada.

    Adoro a sinceridade dessas crianças ! rsrs

    Vc é demais, meu pestinha, sim senhor!

    meu beijo, querido meu.

    ResponderExcluir
  7. Márcio eu me lembrei daquele desenho animado em que uma gatinha passa embaixo de uma escada branca e fica com uma listra da cabeça até o rabo, certa hora um gambá se apaixona perdidamente por ela que dispara em fuga do enamorado, afinal, o odor dele é nauseabundo...Esta menininha precisava aparecer no trabalho da minha irmã que sofre como ninguém com um gamba de duas pernas. Abraços caipiracicabanos de Ana Marly de Oliveira Jacobino

    ResponderExcluir
  8. KKKK...Maninho que linda a sinceridade de uma criança não é?
    Bom... Mas não suma mais viu? É ordem de irmã rsrsrs.
    É muito bom te ter por perto Marcio.

    Um beijo querido
    Fernanda

    ResponderExcluir
  9. kkkkkkkkkkkkkk sincera!!!!! bom d+
    bjs

    ResponderExcluir
  10. ô Marcio,
    Essa loirinha é das minhas!!! É verdade, criança é bem assim. Até me fez lembrar uma piadinha que conheço de um cachorrinho de estimação... e uma menininha... rsrsrs.

    Bjssssssss

    ResponderExcluir
  11. Tá dado o recado : sem banho, nada de visitas!

    :P

    Beijo!

    ResponderExcluir
  12. Ah, eu conheço essa loirinha (você me apresentou essa garotinha um tempo atrás... rs!). Adoro seus textos! Beijo!

    ResponderExcluir
  13. Essa é da pá virada,kkkkkk.
    Muito bom demais!
    abraços

    ResponderExcluir
  14. Essa historinha, meu caro Marcio, poderia fazer parte de uma série chamada "Criança tem cada uma" ou "Cala a boca, menina!" (risos). Um relato que tem o seu traço, sempre saboroso, mas essa definição de "alguém com ausência de banho pelo corpo" é antológica, me desculpe. Nunca uma ausência feriu tanto as sensibilidades olfativas como esta, convenhamos!

    E a ilustração de Pepé le Pew com a associação genial de unir o inglês Le Pew (o gambá) com o francês "il pue" (ele fede) não poderia ter sido melhor. Só que na versão francesa do célebre desenho animado (que eu adorava ver) o gambá fala com sotaque.... italiano!!!! (risos)

    Meu amigo, o seu talento continua brilhando de todas as luzes dele. E a generosidade de suas palavras para com meus textos me deixa, literalmente, sem palavras. Mas muito agradecido, querido amigo.

    Um forte abraço, Marcio, bom fim de semana.

    André

    ResponderExcluir
  15. kkkkkkkkkkk

    Que loirinha linda, criança, ai criança, seres marvilhosos. rsss adoroooooo

    Ai já to com saudade, nem valeu essa história de deixar 3 post aqui adiantado, quero todo dia rss, Mas boa sorte lá no seu novo projeto e vou lá passear no Arena, dxa comigo. rsss.

    Beijocas e carinho sempre, se cuida, e boa sorte em tudo.

    ResponderExcluir